domingo, 27 de dezembro de 2009

10.12- Handel-Inglat-Arminio-Giustino-Berenice








33- 1737-Arminio
34- 1737-Giustino
35- 1737-Berenice


33- Arminio - 1737
ARMINIO (HWV 36)



Juntamente com Giustino e Berenice, Arminio é uma das três óperas que Händel compôs durante um período de meio ano, desde de 1736, iniciado em 14 de agosto com a  composição de Giustino, seguida pela publicação de Arminio em 15 de setembro, e a finalização de Giustino em 20 de outubro. Em meados de dezembro Händel concluiu Berenice.

Arminio foi executada pela primeira vez no Royal Opera House, em Covent Garden, em 12 de janeiro de 1737, antes de Giustino. Só foi reencenada cinco vezes, a última delas em  12 de fevereiro.

Sua primeira performance moderna se deu em 23 de fevereiro de 1935, em Leipzig, numa versão em alemão de Max Seiffert e Hans Joachim Moser.

O libreto de Arminio foi baseado numa obra homônima de Antonio Salvi, que já havia sido musicada por Alessandro Scarlatti. A história fala sobre o líder germânico Armínio, que  derrotou os romanos, comandados por Públio Quintílio Varo, em 9 d.C., e sua esposa, Tusnelda. Embora o tema seja, portanto, histórico, os detalhes da história e os personagens,  tais como descritos na ópera, são totalmente fictícios.





Elenco:

Arminio (Armínio) alto castrato Domenico Annibali
Tusnelda soprano Anna Maria Strada
Sigismondo (Sigismundo) soprano castrato Gioacchino Conti (Gizziello)
Ramise alto Francesca Bertolli
Segeste baixo Henry Reinhold
Varo tenor John Beard
Tullio (Túlio) alto Maria Caterina Negri

Armínio teve sua primeira apresentação no Covent Garden em 12 de janeiro de 1737, e foi a primeira ópera nova da temporada. Ela foi escrita logo após Handel ter esboçado  Giustino, que foi temporariamente posta de lado e Armínio subiu ao palco em fevereiro. Embora ele não soubesse disso na época, esta foi a última temporada em que empresa de  Handel teria que competir diretamente com o Opera da Nobreza, no Teatro do Rei em Haymarket. Com ambas as empresas insistindo na realização das mesmas noites da semana  (terças e sábados), o público potencial foi espalhado eventualmente, não dando mais audiência, e assim o Opera da Nobreza teve que fechar.

Amigos de Handel, inevitavelmente, gostaram muito de Armínio. "Eu a acho muito boa como qualquer outra que ele fez", escreveu o seu próximo e firme defensor Maria  Pendarves para sua irmã. Em uma longa carta para seu primo James Harris, o Conde de Shaftesbury dá uma revisão exaustiva da ópera, elogiando a abertura e outras árias e duetos  em apreço. Em resumo, diz que a ópera é bastante grave, e correta em alto grau, podendo vir a ser uma preferida do repertório de Handel. As bases e acompanhamento, se  possível, são melhores do que o habitual. Mas temo de ela não ser estendida por muito tempo. A cidade não mais admira este tipo de trabalho. E ele estava certo, porque depois  de seis performances, Armínio não seria ouvida novamente em qualquer fase, por mais de 200 anos.



Handel compôs Armínio durante uma fase complicada de sua vida, mas a ópera contém muitas emoções musicais e é historicamente significativa. Armínio foi realizada quando a  rivalidade de Handel com a "Ópera da Nobreza" estava no auge. Três meses depois, exausto, o compositor sofreu um colapso na saúde e depois partiu para Aachen em busca de  uma cura.

A temporada 1736-37 contou com um programa mais completo e variado que Handel nunca havia ainda montado em Londres, com oratórios, uma ode, uma Pasticcio, várias  óperas novas e um monte de revivals de obras anteriores. Ambição sem precedentes, foi um estratégico golpe de misericórdia contra o teatro rival de Handel, o qual apresentou o  seu último desempenho em 11 de junho de 1737 e posteriormente ficou recolhido.




Ao contrário do que se esperava da ópera italiana em Londres, Handel logo se recuperou e passou a conquistas ainda maiores após seu retorno a Londres, mas os grandes triunfos  das temporadas anteriores não foram repetidos. O texto de Armínio feito por um dos libretistas favoritos de Handel, Antonio Salvi, é bastante bom, e seu forte senso dramático  está acima da média do mérito literário, segundo os maiores apreciadores de sua música.

Geralmente, é injusta a crítica de que as partes das óperas de Handel são confusas, mas Armínio segundo alguns críticos tem um libreto difícil, que não consegue explicar seus  incidentes ou desenvolver seu enredo. Seu contexto é amarrado numa situação em que Arminio é mantido prisioneiro pelo invasor romano Varo, um conquistador de batalhas que  ama Tusnelda, a esposa de Arminio. Todos os três personagens encontram-se em potenciais situações dramáticas desenhadas a partir da imaginação de Handel, mas nesta ocasião,  o libreto convencional não se acende ao gênio com consistência suficiente. Armínio foi composta no final da carreira operística de Handel e, teve um passado infeliz, pois foi escrito  às pressas para um libreto inadequado, e assim depreciado por musicólogos e largamente ignorado pelos artistas.




Só que esta ópera se apresenta em grande estilo heróico das óperas, e mesmo não sendo uma das obras mais inspiradas de Haendel, no entanto, ele mostra nesta obra a sua  habilidade profissional com toda sua  criatividade musical. Embora não haja espetáculo mágico ou acontecimentos mitológicos em Arminio, há muito que animar a história. A  abertura é imediatamente seguida por uma cena de tragédia extrema, e o número que se segue a abertura é um dueto de desespero, ao invés do típico recitativo. Na verdade, toda  a pontuação que Handel cria nas dramáticas construções cênicas, utilizando cavatinas e ariosos, colocam a veracidade dramática à frente da convenção. Há um dueto no Ato III em  que a esposa e irmã de Arminio ameaçam cometer um duplo suicídio se ele não for libertado da prisão, que é considerado um expoente de situação de dor e desespero. O dueto  estendido é escrito com uma liberdade de construção que ilustra as suas emoções conflitantes de desamparo.

No Ato II, duas das árias estão relacionadas de forma dramática, sendo que a primeira, uma saída de não-aria escrita para Armínio, é uma ária resoluta em que ele desafia o  sogro.Um pedaço brilhante e heróico é quando Segeste responde com uma ária de bravura, depois da qual é feito para sair de forma dramática. Ele está tentando convencer  Arminio para unir forças com os romanos. Ele desertou seu próprio povo por causa de glória e poder, e insta Arminio a fazer o mesmo. Sua justificativa é sentida na força de sua  música.



Handel tinha na sua orquestra, nesta temporada 1736-1737, o famoso oboeista Giuseppe Sammartini, um virtuoso para qual Handel compôs algumas músicas extremamente bem  para ele neste trabalho. Ele reserva-se como instrumentista estrela para o clímax da ópera no ato II e principalmente o acompanhamento da peça "Quella fiamma". Esta ária  radiante foi composta como um show a parte para o castrato soprano Conti. Ele tinha uma tessitura extremamente alta, e Handel escreveu  numa cortesia do oboé, que é tão  virtuoso quanto a música vocal. O efeito é de brilhante, reluzente,  e resplandecente na escrita dos agudos. Há também dois oboés adicionais na parte da orquestra, reforçando o  aspecto concerto da peça. Portanto, só a grandeza predominante da peça  estabelecida de uma vez pela sua abertura e pelo dueto de Armínio e sua esposa Tusnelda já é moltivo  bastante para ser colocada como uma boa ópera. Mas há muita variedade expressiva e uma riqueza de árias bem feitas, como a já citada "Quella fiamma" (Act II), com o seu  brilhante oboé obbligato, que está entre as mais apreciadas, cuja mudança de cores, reflete a música de uma delícia constante.

O argumento de que Armínio foi um fracasso por causa da trama incompreensível, mas a música é sempre brilhante pode ser um engodo na avaliação. Vários fatores contribuiram  para o não sucesso desta obra e, em grande parte, pela falsa propaganda armada em cima desta fase da vida de Handel.


Sinopse

Ato I

A ópera baseia-se vagamente sobre os acontecimentos da invasão romana da Alemanha no ano 9 dC.

Armínio, um príncipe alemão, retirou-se do campo de batalha com sua esposa Tusnelda e implora para ela fugir dos romanos invasores, para que ele possa viver para lutar. Embora  relutante, Armínio concorda quando Tusnelda teme que ambos podem ser capturados.

Varo, o general romano, entra com o Tullio um tribuno. Tullio dá relatórios sobre a partida de Armínio e Varo revela que ele ama Tusnelda. Tullio diz-lhe para abandonar as  esperanças românticas e lutar de vez para obter a honra e glória. Varo responde, dizendo-lhe que o amor pode inspirar o homem a agir com honra.

Arminio agora é trazido como um prisioneiro de Segeste, outro príncipe alemão, e pai de Tusnelda.  Segeste acusa Armínio por sua traição, tanto a seu país e como a sua família.  Tusnelda considera o dilema de lealdade conflitante, e sai. Varo exige sujeição de Arminio a Roma, mas ele orgulhosamente resiste e prefere a morte. Então é levado  desafiadoramente e Segeste insiste que como nunca haverá paz com Roma, enquanto vidas como a de Armínio for sacrificada.

No castelo de Segeste, seu filho Sigismondo contempla o significado de seus sonhos. Ele está apaixonado por Ramise, a irmã de Armínio, que agora entra com Tusnelda. Tusnelda  lhes fala da traição que Segeste acusa Armínio, e Ramise fica em desespero pelo destino do irmão. Sigismondo via Tusnelda com simpatia, mas ela ressalta que seus próprios  problemas são ainda piores que os dele, porque está dividida entre seu amor por seu pai e seu marido.

Segeste entra e diz a seu filho para desistir de todas as esperanças de seu amor por Ramise. Sigismondo se recusa a aceitar isso, e diz que prefere morrer do que viver sem amor.

Ato II

Segeste descobre o amor de Varo por sua filha Tusnelda, e aguarda a sua união, uma vez que Armínio está com o destino de ser morto. Varo se apresenta a Segeste com uma carta  do imperador romano Augusto, exigindo a execução de Armínio para completar o triunfo de Roma sobre os alemães. Segeste aguarda com expectativa a realização deste fim.

Uma vez mais, é exigido a Armínio para reconhecer a vitória de Roma, e novamente ele se recusa. Ele enfrentará a morte sem medo, mas Segeste terá que viver com a vergonha de  trair seu país. Arminio é arrastado para a prisão para aguardar sua morte. Tusnelda entra em sofrimento, e Segeste aconselha-a a salvar seu marido, convencendo-o a mudar de  idéia, mas ela se recusa.

Ramise agora entra e quer matar Segeste, atacando-o com um punhal. Mas ela é desarmada por Sigismondo, deixando Segeste ainda mais determinado a executar Armínio. Ramise  agora repreende Sigismondo por frustrar sua tentativa de assasssinar Segeste, mas ele diz que não pode ficar a ver seu pai morto. Ele pega a faca e tenta esfaquear-se, mas ao olhar  Ramise instintivamente ele pára.

Na prisão, Armínio diz a Varo que ele sabe sobre seu amor por Tusnelda, e para sua surpresa, se entrega a Varo. Ele se deixa preparado para enfrentar sua morte. Tusnelda diz a  Varo que a única maneira que ele pode agradá-la é através da poupar Armínio da morte. Ele sai para fazer isso, e Tusnelda reflete que ao fazer isso ele vai salvar duas vidas e ganhar  a sua gratidão.

Ato III

Arminio é levado ao local de execução, mas que não seja intimidado a reconhecer a vitória de Roma. Sua morte, ele espera, será um golpe fatal ao orgulho romano. Varo, para  surpresa de Segeste, remove as cadeias de Armínio para que ele possa morrer como um soldado no campo de batalha. Tullio chega com a notícia de uma derrota romana nas mãos  de outro príncipe alemão, e Varo dá ordens de prisão a Armínio, e retorna ao campo de batalha. Apesar de sua prisão, Armínio tem esperança na derrota romana. Varo deixa  Segeste para defender o castelo.

Em outra parte do castelo, Tusnelda decidiu cometer suicídio. Ela contempla em primeiro lugar a espada de Armínio, mas escolhe tomar veneno. Quando está prestes a beber,  Ramise entra e pára a sua ação. Ela diz que, enquanto Armínio ainda viver elas têm o dever de salvá-lo e vingar os seus captores.

Elas vão a Sigismondo e pedem para ele liberar Armínio. Quando ele se recusa, ameaçam suicídio - Tusnelda com o veneno e Ramise com a espada. Sigismondo pára as duas, e sai  ainda confuso com suas lealdades conflitantes. As duas mulheres se confortam uma a outra em seu desespero, mas são interrompidas por Armínio que agora está livre da prisão.  Sigismondo retorna com a espada de Armínio, que ele havia arrancado de Ramise e dá a espada para Armínio que corre para se envolver na batalha com os romanos, seguido por  Tusnelda. Ramise está preocupada com a segurança de Sigismondo quando Segeste descobrir o que ele fez, e roga-o a fugir. Mas Sigismondo decide ficar e enfrentar seu pai.

Segeste agora entra e de saída abrange sua fúria em Sigismondo, que oferece seu pai a sua própria espada para matá-lo. Para defendê-lo, Ramise adota a atitude de que foi ela que  libertou Armínio. Segeste mantem os dois acorrentados e  Sigismondo e Ramise são levados pelos guardas.

Tullio diz que a Segeste que Varo foi derrotado por Armínio e está morto, e que seu próprio castelo foi tomado. Tullio sugere que eles devem fugir, enquanto Sigismondo fica para  defender seu pai, que rejeita-o como um traidor. Armínio entra com Tusnelda e desarma Segeste. Sigismondo e Armínio imploram a Segeste para acabar com sua raiva, e oferecem  a proposta de poupar sua vida em troca, o que ele finalmente faz. Superado pela oferta, Segeste concorda e abraça Armínio.

Armínio dá a sua irmã Ramise em casamento a Sigismondo e todos se unem em um coro final de regozijo.

















https://www.youtube.com/watch?v=bMpUUd5wn2I





https://www.youtube.com/watch?v=6Y4Hpdbmwp4






34-Giustino  -  1737
GIUSTINO (HWV 37)

Libretto: Desconhecido, depois de Niccolo Beregan / Piandro Pariati, 1724

Estreia: 16 de fevereiro de 1737, Covent Garden Theatre, em Londres


Giustino (Justin) é uma ópera de George Frideric Handel, com um libreto de forma anônima, revisado por Niccolo Beregan e Pietro Pariati. A primeira apresentação teve lugar no Teatro Real de Covent Garden em Londres, em 16 de fevereiro 1737 .
A obra de Handel se refere ao mesmo nome da ópera de Vivaldi, composta em 1724, seguindo o mesmo livro, mas eliminando a personagem de Andrônico-Flavia. Repare que a de Handel é de 1737 e portanto 13 anos depois.




Elenco:

Anastasio - Gioacchino Conti, chamado "Gizziello" (Soprano-castrato)
Arianna - Anna Maria Strada del Po (Soprano)
Giustino - Domenico Annibali (Alto-castrato)
Leocasta - Francesca Bertolli (contralto)
Amanzio - Maria Caterina Negri (contralto)
Vitaliano - John Beard (Tenor)
Polidarte - Henry Theodore Reinhold (Baixo)
La Fortuna - William Savage (soprano menino)




A temporada 1736-1737 provou ser extremamente repleta de atrações, o que deixou Handel bastante ocupado. Bem como apresentar revivals das óperas Atalanta, Alcina, Poro e  Partenope, e ainda apresentar três óperas novas - Armínio , Giustino e Berenice - além de incluir os revivals do oratórios Ester e Débora. Além disso, incluiu um novo oratório com base na ode  "Dryden" da Festa de Alexandre, adicionando mais ainda um re-trabalho de seu oratório italiano de 1708  "Il Trionfo del Tempo e del Disinganno" com o título ligeiramente alterado  para  "Il Trionfo del Tempo e della Verità". Talvez esta oferta rica e variada tenha sido a sua tentativa de superar a rival Opera da Nobreza.

Entretanto, esta pressão de trabalho fez sua cobrança alta, pois em abril, entre as estreias de Giustino e Berenice, Handel teve o primeiro de uma série de paralisias e 'ataques  nervosos', que viriam a ocorrer esporadicamente durante todo o resto de sua vida. Desastrosamente, ele perdeu o uso de seu braço direito o que significava que era incapaz de  levar a orquestra ou tocar o órgão durante as apresentações. E por isso, não estava à frente para vários espectáculos de Giustino , e como esteva ausente na estréia de Berenice em  18 de maio.



Giustino foi a segunda das três novas óperas produzidas durante a temporada de ópera de 1736-1737 no Covent Garden Theatre. O libreto foi baseado em uma obra de Pariati que  originalmente foi criada por Antonio Vivaldi  e ele contém muitas oportunidades para um espetáculo visual, o que Handel aproveitou-as muito bem. Como de costume, o  espetáculo foi inspirado em algumas de suas músicas mais imaginativas e teatrais.

Como exemplo de uma cena elaborada, é quando a deusa Fortune desce sobre uma roda para inspirar o camponês Giustino, durante o  sono, com sonhos de grandeza e colorido. A  música composta para a deusa contém uma rítmica sugestiva de uma roda girando. Ela canta uma ária que se desenvolve com este material, seguido por uma outra.



O coro então desenvolve a música em corroboração aos seus apelos para Giustino. A orquestra termina com mesmo material e tema, e gradualmente vai desaparecendo a uma  dinâmica de pianissimo e deixando apenas os violinos e contrabaixos de cordas tocarem suavemente. Fortune e seus gênios desaparecem no ar, deixando o eco de sua música por  trás deles, como o pó de pirlimpimpim. Este sonho é escrito em apenas teclas planas, com o desenvolvimento mágico do material musical. Quando eles desaparecem, Giustino  acorda e canta uma ária em que ele aceita o seu destino. Ele responde em primeiro lugar, atingindo a um dó maior, e, em seguida, com um totalária na chave triunfal de ré maior.

Além desse elaborado espetáculo, Giustino tem a oportunidade de resgatar uma princesa de um urso, e outra princesa de um monstro do mar durante o curso dos  acontecimentos. A ópera começa com uma cerimônia de coroação esplêndida, cheia de suntuosidade e pompa, e a ação dramática inclui um naufrágio em um mar tempestuoso.

Uma das melhores peças foi composta para a princesa Arianna e quando esta está para ser devorada por um monstro do mar, ela canta uma ária de eco,  gritando por socorro, mas  é respondida apenas pelos ecos de sua própria voz, assustadoramente desacompanhada, cantada fora do palco.




A orquestração para Giustino, como a de Arminius, presta especial atenção à seção de sopros. Handel tinha na sua orquestra uma oboísta virtuosa  para esta temporada.

Giustino contém em sua partitura um acompanham,ento de flautas, que incluiu um gravador de baixo. Em arioso, Giustino canta  "Puo ben Nascer", com um coro duplo de  gravadores, que é dobrada por um oboé. Ao longo do pedaço, uma viola duplica o gravador de baixo, mas não há nenhuma escrita de contínuo até a outra coda. Aqui o naipe  inteiro de cordas entra junto com o cravo e mais duas cornetas para criar um grande final.

As três novas óperas da temporada 1736-1737 de Handel, Arminius, Giustino, e Berenice, não são as obras-primas como algumas de suas outras óperas são. Ele estava muito  cansado, produzindo uma temporada tão grande, e ficou gravemente doente no meio da primavera. Sofreu um colapso nervoso e uma paralisia que afetou seu braço direito. Foi  então para a estância termal de Aix-la-Chapelle, onde se recuperou com muita rapidez, e ali mesmo pôde compor uma cantata, que foi perdida. No fim do ano já estava de volta em  Londres, e imediatamente iniciou a composição de outra ópera, Faramondo. Também fez uma tentativa de se adequar ao gosto de então, compondo sua única ópera cômica, Serse (Xerxes),  que foi um completo fracasso.

Construção de Aix-la-Chapelle, por Jean Fouquet .

Mas, estas três óperas desta temporada de 36 aderiram a muitas das mais ridículas convenções no enredo da ópera séria, e deixou-se abrir ao ridículo, sdando ensejo a muitas  paródias.  Thomas Arne, que era um fagotista e compositor para o teatro, colaborou com Henry Carey na produção de uma das paródias mais divertidas, conhecida como  "O  Dragão do Wantley", que nada mais era que uma sátira direta ao Giustino de Handel.

Para se ter uma dimensão desta paródia, basta dizer que Thomas Arne foi um prolífico compositor de música para o palco, importante figura no teatro inglês do século XVIII e foi considerado o catalisador para a revitalização da ópera no início dos anos 1730. Ficou muito famoso por ser o autor do hino nacional do Reino Unido, God Save the Queen. Arne foi o único compositor inglês nativo de seu tempo capaz de competir com sucesso com compositores como Georg Friedrich Haendel, que monopolizava a cena musical britânica durante o século XVIII.



Embora as críticas terem sido impiedosas ao tratamento de sua ópera, Handel reconheu ter  gostado muito desta sua obra. Não se deu por vencido e fez planos ambiciosos para um novo trabalho.


Sinopse

Ato I
Em Constantinopla, a imperatriz viúva Arianna está coroando seu novo marido, Anastasio, como seu consorte. As damas e cavaleiros da corte saúdam o alvorecer de uma nova  Idade de Ouro. Mas as celebrações são interrompidas pela chegada de Amanzio, o general do Exército Imperial, com a notícia de que eles estão em perigo por causa do rebelde  Vitaliano . Anastasio instintivamente se levanta do seu trono para entrar em campo contra os rebeldes, mas Arianna o detém.



Polidarte, um mensageiro de Vitaliano, chega com as exigências dos rebeldes: Arianna deve ser entregue a ele e se tornar sua esposa. Anastasio envia Polidarte de volta com uma  recusa com raiva, e sai para a batalha. Deixado sozinha, Arianna resolve segui-lo para o conflito.

Nos campos, Giustino ara a terra, mas aspira a se tornar um soldado. Ele adormece, e, em um sonho, Fortune aparece para ele elhe  diz para realizar a sua ambição, por um trono  com um palácio a aguardá-lo. Quando Fortuna e sua Roda desaparecem, Giustino acorda e se prepara para a batalha.



De repente, uma mulher corre perseguida por um urso. Giustino mata o urso e a salva. Ela se apresenta como Leocasta, irmã de Anastasio e, observando a natureza nobre Giustino  e sentindo os primeiros sinais de amor, ela o convida para acompanhá-la ao palácio. Arianna acompanha o seu marido para a batalha e é capturada pelos rebeldes. No palácio  Giustino é imediatamente saudado como um campeão de coragem, e Anastasio mandou para provar a si mesmo a sua bravura, resgatando Arianna.

No acampamento rebelde, Polidarte traz Arianna para Vitaliano. Quando ela rejeita seus avanços amorosos, ele furiosamente envia-a para ser lançada a um monstro marinho que  vem aterrorizando a zona rural. Arianna lamenta seu destino e declara sua fidelidade ao marido.




Ato II
O navio que transportava Anastasio e Giustuino é destruído em uma tempestade, mas eles lutam e chegam até a praia. Eles procuram abrigo em uma casa nas proximidades.

Poldarte entra com Arianna. Ele lhe dá uma última chance a ceder, mas ela se recusa e ele a deixa acorrentada a uma rocha. O monstro do mar sobe das águas e se aproxima dela.  Giustino ouve seus gritos e corre para fazer a batalha com o monstro. Ele é vitorioso e  Anastasio se junta a eles, tendo o prazer de se reencontrar com sua esposa. Ele agradece a  Giustino pela sua coragem. Amanzio chega e todos eles deixam a praia, acompanhados pelas vozes dos marinheiros.

Lamentando sua ação precipitada, Vitaliano chega para salvar Arianna, mas descobre que o monstro do mar está morto. Não sabendo se ela está viva ou morta, ele sai para  encontrá-la.

 No jardim do palácio, Leocasta canta seu amor por Giustino. O vitorioso Anastasio entra com Amanzio, seguido por Giustino arrastando Vitaliano, que ele conquistou,  aprisionando-o. Anastasio agradece novamente a Giustino pela sua coragem. Amanzio fica com ciúmes do lavrador simplorio que conquistou tantas vitórias. Giustino sugere que  Arianna deva decidir o destino de Vitaliano, e assim o rebelde é arrastado para fora. Giustino é enviado de volta para o campo por Anastasio para completar a derrota dos rebeldes,  e ele comemora sua crescente reputação.



Vitaliano é trazido diante de Arianna, e implora por um olhar de amor antes de morrer. Ela se recusa e despreza-o, com ordem de prendê-lo até o tempo definido para a execução.


Ato III
Vitaliano escapa de sua prisão com a ajuda de seus amigos. Ele agradece e sai para planejar sua vingança.

Amanzio começa a semear sementes de suspeita na mente de Anastasio em relação a Giustino. Ele dá a Anastasio uma faixa incrustada de jóias que ele tomou de Vitaliano.  Preocupado que Giustino possa fazer uma tentativa de tomar seu trono e sua esposa, Anastasio envia Amanzio para vigiar Giustino.

Ouvido por Amanzio, Arianna elogia a coragem de Giustino e dá a ele a faixa de jóias que o marido lhe deu. Amanzio a deixa secretamente para dizer a Anastasio do presente, e este fica irritado com  o que ouve. Ele confronta Giustino e Arianna, mas não ouve sua explicação. Então, envia Giustino para fora para ser executado, e expulsa Arianna.



Leocasta suspeita que Amanzio é um traidor, e mas as preocupações que seu amor crescente de Giustino não será correspondido, faz Amanzio se deliciar com o êxito de seus  planos.

Graças à intervenção de Leocasta, Giustino foi salvo da execução, mas agora está num exílio. Ele despreza Fortune que lhe havia prometido um trono e reino, e cai exausto no chão.  Vitaliano entra e, encontrando Giustino dormindo, levanta sua espada para matá-lo para vingar seu cativeiro anterior. Mas de repente, a montanha se abre e a voz do pai morto de  Vitaliano avisa que ele está prestes a matar seu próprio irmão. Vitaliano olha para a marca distintiva da sua família - uma estrela no braço esquerdo - e acorda Giustino para revelar  seu parentesco. Vitaliano concorda em unir Giustino em seu desejo de revelar a traição de Amanzio e restaurar a Arianna para Anastasio.

Em um jardim do prazer, com um grande Templo da Fortuna, Amanzio monta o trono com uma coroa de louros na cabeça. Ele comemora a vitória com Anastasio, Arianna e  Leocasta que são levados acorrentados.



Giustino, Vitaliano e Polidarte correm com suas tropas e Amanzio tenta fugir. Mas Giustino captura-o e envia-o para ser executado. Ele libera os outros de suas correntes e vai se  ajoelhar diante de Anastasio, que se levanta e abraça-o. Anastasio se reúne com Arianna, e pede perdão por seu erro.

Giustino suplica em nome de seu irmão, Vitaliano, que é perdoado. Anastasio faz Giustino seu co-regente, e oferece sua irmã Leocasta em casamento a ele.

Todos celebram o feliz desfecho dos acontecimentos, e se juntam ao coro final, acolhendo uma nova Idade de Ouro.











https://www.youtube.com/watch?v=9Qo0n7XsTZk





35- Berenice1737
BERENICE (HWV 38)
Berenice, Regina d'Egitto, HWV 38
Libretto: Desconhecido, depois de Antonio Salvi, 1709

Estreia: 18 de maio de 1737, Covent Garden Theatre, em Londres




Elenco:
Berenice, rainha do Egito soprano Anna Maria Strada
Selene, a irmã contralto Francesca Bertolli
Alessandro, um nobre romano soprano castrato Gioacchino Conti
Demetrio, um príncipe alto castrato Domenico Annibali
Arsace, outro príncipe contralto Maria Caterina Negri
Fabio, romano mensageiro tenor John Beard
Aristobolo, capitão baixo Henry Reinhold


Segundo a algumas fontes, a ópera está baseada na vida de Cleópatra Berenice, filha de Ptolomeu IX (o personagem principal na ópera de Handel em Tolomeo ) e está situada em cerca de 81 aC.




A temporada 1736/1737 não foi um período particularmente bom para Handel, conforme já foi dito. Quando a première de "Berenice, Regina d'Egitto" de Handel, ópera HWV 38,  teve lugar no teatro Covent Garden em 18 de maio de 1737, a cena da produção de ópera em Londres e, em particular do próprio compositor, pode ser considerada como em um  ponto crítico da sua existência. Em abril de 1737, apenas um mês antes da estreia de 'Berenice', Handel sofreu um derrame e seu braço direito ficou paralisado.

Além disso, ele estava em sérias dificuldades financeiras, e o público inglês, que fizera dele um compositor célebre, parecia não haver mais interesse em suas óperas italianas com  suas tramas complicadas e cantores estrangeiros. A mesma situação desfavorável predominou ao longo de toda atmosfera de ópera de Londres: duas casas de ópera, Covent  Garden e da ópera competitiva da nobreza, tiveram problemas de longo prazo com baixa frequência e elas sofreram uma perda financeira.

Assim, a Ópera Nobreza atuou o seu último desempenho. Mas a disputa entre as duas empresas parece ter deixado o público de ópera de Londres saturado com este gênero de  música. Handel , incapaz de conduzir a orquestra tinha completado a sua última ópera da temporada, Berenice , em janeiro de 1737 e só estreou em maio de 1737, para apenas  quatro apresentações.



Durante o ano de 1737, Handel apresentou-se no palco do teatro de Covent Garden, suas três óperas novas: "Armínio", "Giustino" e "Berenice" seguidas em outros trabalhos com  intervalos relativamente curtos. Nenhuma dessas obras tiveram um sucesso significativo e as razões para o fracasso desta ópera Berenice, fora os transcursos da própria vida de  Handel que não se resumiam na falta de suas qualidades musicais ( pelo contrário, sua capacidade musical sempre fora transbordante), mas o mais provável é que toda a situação  insatisfatória na cena da ópera de Londres, em meados dos anos trinta do século 18, é que levou estas obras ao fracasso.

Com o interesse despretigiado da ópera em língua italiana, o público de Londres poderia, com dificuldades a bem da verdade, apoiar uma companhia de ópera, mas certamente não  duas ("Berenice" foi introduzida pela primeira vez, quase um mês antes da queda da competitiva Ópera da Nobreza , e o teatro de Covent Garden  terminou sua temporada um  pouco mais tarde, com uma perda significativa). Nesta situação, Handel veio com uma ópera composta para um velho libreto de Antonio Salvi, que surgiu pela primeira vez com  música, em 1709 em Florença. Não se sabe exatamente quem adaptou o texto original de Salvi para Handel (de acordo com algumas opiniões, muitas vezes era o próprio Handel,  ele mesmo). Salvi foi o autor de libretos para óperas de Handel, como "Rodelinda" (adaptado por Niccolò Francesco Haym, o libretista de Handel durante a primeira Academia Real  de Música ), "Sosarme", "Ariodante"e "Armínio".

Salvi

Pode-se dizer, portanto, que Handel usou seus libretos com bastante frequência. Em tão complicado lote de situações como aparece em "Berenice", cheia de intrigas amorosas  estabelecidas no Egito antigo, conta  uma história de rainha egípcia que é convidada a se casar com um jovem nobre romano, Alessandro, em nome de relações amistosas com  Roma. Berenice recusa a oferta porque já estava prometida em casamento ao príncipe Demétrio, que está secretamente apaixonado por Selene, a irmã de Berenice. A fim de  frustrar Berenice e definir sua amada no trono, Demetrio se forma  como um inimigo egípcio para derrubar a Rainha. Depois que suas atividades secretas foram descobertas, ele é  preso e condenado à morte. No entanto, depois de muitas reviravoltas, a ópera termina com um final feliz: Demetrio recebe de volta a sua liberdade e Alessandro, que provou seu  amor inabalável por Berenice, se torna seu marido e co-regente. Como podemos ver, é um assunto da ópera comum deste período, completamente dentro das convenções da  ópera séria.



É possível que Handel tenha encontrado Salvi durante sua visita a Florença naquele ano. Não há grandes mudanças feitas no libreto antes da definição de Handel: os recitativos  foram encurtados e dois textos com árias novas foram introduzidas, o que pode significar que Handel fez um trabalho próprio. O enredo é o habitual de uma ópera séria: A ama B  que ama C que ama D. Neste caso Berenice, rainha do Egito está sob pressão para escolher um marido. Ela adora Demetrio que ama a sua irmã Selene, que por sua vez é amada por  Arsace. Mas Berenice está sendo pressionada pelo embaixador romano Fabio Alessandro de escolher quem está realmente apaixonado por ela. Aparentemente é um  enredo  simples, mas, de alguma forma, mostra-se difícil de chegar aos destinos dos personagens, como em algumas outras óperas de Handel.

Enfim, Handel não estava nos seus melhores dias. A sua saúde fez ele ter um grande revés, em primeiro lugar durante a primavera de 1737, e em segundo lugar o seu excesso de  trabalho, pressionado em suas tentativas de construir uma boa audiência em face do desafio apresentado pela Ópera da Nobreza, seus rivais residentes no seu antigo teatro da  ópera, o Teatro do Rei em Haymarket e, finalmente as severas críticas ao seu trabalho e principalmente a inveja por seu monopólio na área teatral, tudo isso concorreu para seu  cansaço e desapontamento. Nada melhorou quando as eliminatórias do Verão de 1737 chegaram, pois a sua desordem parecia, às vezes, afetar totalmente a sua compreensão.

Esse triste estado de coisas é corroborada pelo primeiro biógrafo de Haendel, Mainwaring, que discretamente observou: "... quão grande seus sentidos foram desordenados em  intervalos recorrentes, durante muito tempo, surgindo uma centena de casos, que são mais esquecidos do que o registrados".



Foi neste ambiente que Berenice viu pela primeira vez a luz do dia -, mas apenas brevemente. Handel não dirigiu a orquestra para a primeira apresentação em 18 de maio, mas a  entregou ao seu assistente John Christopher Smith. De fato, é possível que o compositor não tenha assistido a nenhuma das quatro apresentações que Berenice atingiu - o menor  número de apresentações para a primeira execução de qualquer de suas óperas.   Após as apresentações iniciais, a ópera foi apenas revivida uma vez durante a vida de Handel, em  Brunswick e ele a re-utilizou apenas algumas peças em obras posteriores. Desde então, tem sido negligenciada de vez. Uma das razões, talvez, é que ao contrário de muitas de suas  outras óperas conhecidas, esta não tem um número definitivo de hits, mas ainda assim não deixa de ser uma peça interessante.

No meio das desgraças de Handel, uma boa notícia apareceu antes dele partir para se medicar nas águas curativas de Aix-la-Chapelle, em outubro. Em 11 de junho, a carga  financeira de executar uma companhia de ópera finalmente causou o colapso da Ópera da Nobreza. A doença do castrato Farinelli levou ao cancelamento do desempenho  planejado de Sabrina em 14 de junho, que não pôde terminar a temporada. Farinelli viajou para a Itália e nunca mais voltou para Londres. O compositor Porpora, que levou a  empresa, substituido logo depois.  Berenice era para ser a última ópera de Haendel a ter a sua estreia no teatro Covent Garden. Para a próxima temporada, Handel estaria de volta  em sua antiga casa em Haymarket, combinando sua empresa com os remanescentes da Ópera da Nobreza em uma última tentativa para restabelecer a ópera italiana em Londres.


A temporada de 1937 terminou com um renascimento da Alcina e performances da Festa de Alexandre. Depois, Handel procurou um restabelecimento da saúde em Aix La  Chapelle.

Do ponto de vista musical, há alguns momentos marcantes nesta ópera. Ela é introduzida com uma abertura excepcional, que também aparece separadamente em salas de  concertos, de vez em quando. Existe também um minueto favorito. Além disso,  a "Sinfonie"do terceiro ato é composta no esplêndido estilo típico de Handel. Ele usou de novo este  tema em sua abertura para a 'Música para o Real fogos de artifício".

Entretanto, a melhor música escrita por Handel nesta obra reserva-se para os personagens de Berenice, que estava na première realizada por sua prima donna Anna Strada del Po   e Demetrius Prince (juntamente com o principal personagens em 'Armínio' e 'Giustino', um dos três papéis que Handel escreveu para o alto-castrato Domenico Annibali).

Uma das mais belas árias da ópera é, sem dúvida, ária de Berenice a partir do terceiro ato "Chi t'intende? ', com um oboé solo. Há um progresso interessante do personagem de  Demétrio: começa no primeiro ato com uma simples melodia suave de sua ária "Não, não soffrir PUO" e continua no segundo ato na ária dramática 'Su Megera, Tesifone, Aletto! ',  cheio de decepção e ciúme. Sua ária seguinte, "Si, tra i CEPPI ', é um brilhante exemplo do chamado" ária de bravura di', e é apresentada às vezes nas últimas décadas por barítonos  e baixos em uma transposição de oitava. Um dos destaques da ópera é também o dueto heróico de Berenice e Demetrius "Se il mio Amor fu il tuo Delitto 'do fim do primeiro ato.



Algo que ajuda a identificar a obra Berenice como boa, foi gravada em 1995, sob Rudolph Palmer. Uma nova gravação de Alan Curtis no "Complesso Il Barocco" facilmente desloca a  gravação de 1995 e parece prestes a se tornar definitiva. Para este disco, Curtis restaura as versões mais longas de duas das árias de Handel que estavam truncadas antes da  primeira apresentação.

O papel soprano castrato de Alessandro tem que ser cantado nos dias de hoje por um soprano feminino e Berenice é uma daquelas óperas pouco problemáticas que parecem  funcionar melhor no teatro, onde o sexo dos personagens é geralmente mais óbvio.


No mais, o que se pode concluir é que mesmo em suas mais fracas obras, ou apenas por razões diversas menos conhecidas, podemos encontrar peças cheias de boa música nas  óperas de Handel.


Sinopse

Ato I
A Rainha Berenice encontra-se com o embaixador romano Fabio. Fabio informa que o Senado lhe deseja se casar com o jovem nobre romano  Alessandro que o acompanha. Mas  Berenice está prometida ao príncipe Demetrio, e se recusa a ser instruida nesta matéria. Entretanto, Alessandro se apaixona por ela instantaneamente, mas diante da recusa de  Berenice espera que ela própria possa tomar uma decisão optando pela pessoa que a ama verdadeiramente, e recusa-se a pressioná-la nos termos de Roma, declarando que  Berenice deve oferecer-lhe a mão por ela mesma.

O Príncipe Demetrio realmente ama Selene, irmã da rainha. A fim de impedir a união com Berenice e definir sua amada no trono, Demetrio foi adotado com um inimigo egípcio  para derrubar a Rainha. Aristobolo, cabeça-ministro, anuncia que, devido a Berenice rejeitar a oferta de Roma, Alessandro deve agora buscar mão de Selene. Berenice se determina  a frustrar esse plano, e consegue uns truques para Selene concordar com uma união com o príncipe Arsace.



Ato II
O embaixador Fabio prevê conflito com o Egito romano. Selene se defende perante a seu amante, alegando que ela está usando apenas Arsace para finalmente vencer e derrotar  sua irmã. Demetrio novamente revela suas atividades secretas. A rainha ouve isso e descobre o seu amor secreto, e  chama seus guardas para vigiar Demetrio à distância. Mesmo  depois de Arsace oferecer a abandonar a Selene, Alessandro se recusa a aceitá-la, porque ele anseia apenas para Berenice. Demetrio é trazido diante da rainha, mas desafia-a. Só o  amor, o amor de Selene o inspira. A Rainha fica furiosa.




Ato III
A rainha é confrantada com cartas confirmando a traição de Demetrio. Nada agora fica no caminho de sua execução. Em um estado confuso, ela retira o anel real de seu dedo, e dá  para Fabio. Quando retorna, diz que pode reclamá-la. Ele dá o anel da rainha a Alessandro. Selene promete a Arsace sua mão se ele puder ganhar a liberdade de Demetrio. Arsace  pede a Alessandro ajuda na libertação Demetrio. Arsace convence a rainha do amor verdadeiro do romano Alessandro por ela. Berenice está preparada para matar, mas primeiro  quer ver Demetrio ser executado. Ambos, Selence e até mesmo Arsace, imploram misericórdia para Demetrio. O anel da rainha é devolvido, mas Alessandro ainda se recusa a  pressionar um pedido de sua mão. A rainha é movida, em um impulso repentino, oferecer a si mesma e seu trono para Alessandro.

E assim, Demetrio é perdoado, o Príncipe Arsace generosamente renuncia a sua própria reivindicação de Selene, e todos os amantes estão unidos e felizes.







https://www.youtube.com/watch?v=WdSZum2l1QY





Levic

Nenhum comentário:

Postar um comentário