sábado, 10 de julho de 2010

32.4- Romantismo-Ópera Alemã-Suppé,Cornelius








A tendência que se manifesta nas artes que se chamou de romantismo, aparecendo no final do século XVIII até o fim do século XIX, nasce na Alemanha mas se estende por toda a Europa, principalmente França, Inglaterra e Itália. Essa tendência foi largamente influenciada pela tese do filósofo Jean-Jacques Rousseau (1712-1778) de que o homem nasce bom, mas a sociedade o corrompe, como também está impregnada de ideais de liberdade da Revolução Francesa (1789). 

A Alemanha que só começará a existir como um país unificado em 1871, é que o sentimento nacionalista vai nutri no campo da arte, a busca de uma identidade própria, que resultará numa Escola Nacional de ópera.






Já no século XVIII, vamos encontrar um movimento pré-romântico Sturm und Drang, o prenúncio desse nacionalismo germânico, que se tornará vívido por uma reação ao racionalismo que o Iluminismo do século XVIII postulara, bem como ao classicismo francês que, como forma estética, tinha grande influência na cultura européia, principalmente na Alemanha daquele tempo.

Os autores desse movimento postulavam uma poesia mística, selvagem, espontânea, em última instância quase primitiva, onde o que realmente tinha valor era o Empfindung, o efeito da emoção, imediato e poderoso: emoção acima da razão. Os Stürmer eram contra a literatura e a sociedade do Antigo Regime.

 Friedrich Schiller.
Deixando de lado a rígida métrica da poesia francesa, os stürmer voltaram-se para a poesia de Homero, para a Bíblia luterana, para os contos e histórias do folclore nacional nórdico. Com efeito, isso levou os poetas do movimento a verem com outros olhos Homero, Shakespeare, Ossian e a poesia popular.

Entre os representantes do movimento, destacam-se Johann Wolfgang von Goethe e Friedrich Schiller.

Muitos compositores românticos eram ávidos leitores e tinham grande interesse pelas outras artes, relacionando-se estreitamente com escritores e pintores. Não raro uma composição romântica tinha como fonte de inspiração um quadro visto ou um livro lido pelo compositor. 


                        


As obras desta época valorizam o individualismo, o sofrimento amoroso, a religiosidade cristã, a natureza, os temas nacionais e o resgate do passado.

Dando, pois, continuidade a ópera alemã vamos relacionar outros compositores e suas obras.

                       

                                       




Franz von Suppé (1819 - 1895) compôs cerca de 30 operetas, 180 farsas, ballets, e outras. As aberturas, especialmente "Leichte Kavallerie ( Cavalaria Ligeira)" e "Dichter und Bauer (Poeta e Camponês)", são utilizadas em todos os tipos de trilhas sonoras para filmes, desenhos animados , anúncios publicitários. 





Algumas das suas óperas são realizadas regularmente na Europa, como  as óperetas "Boccaccio" e "Donna Juanita" que são as mais famosas. 

O dueto "Florenz hat schöne Frauen" da opereta "Boccacio". Elisabeth Kulman (Boccaccio)e Jennifer O'Loughlin (Fiametta) .




Franz von Suppé foi um compositor austríaco, de operetas alegres, que nasceu no que é hoje a Croácia, durante o tempo em que seu pai estava trabalhando neste posto avançado do Império Austro-Húngaro. Foi um compositor e regente do período romântico, notável por compor muitas operetas muito populares em sua época.

Croácia

Duas das operas cômicas de Suppé – “Bocaccio” e “Donna Juanita” – foram levadas ao palco do Metropolitan Opera em Nova York, mas não foram bem sucedidas em incluí-las no repertório da casa. Compôs cerca de 30 operetas e 180 farsas, balés e outros trabalhos cênicos.

Embora a maior parte das óperas de Suppé tenham mergulhado numa relativa obscuridade, as aberturas “O Poeta e o Camponês” (1846) e a “Cavalaria Ligeira” (1866) sobreviveram com enorme sucesso e foram aproveitadas em todo tipo de trilha sonora para filmes, desenhos animados e propaganda, além de terem sido frequentemente executadas em concertos sinfônicos populares ao ar livre.




Os pais de Suppé deram-lhe o nome de Francesco Ezechiele Ermenegildo Cavaliere di Suppé-Demelli quando nasceu em 18 de abril de 1819, em Split, Dalmácia, Império Austríaco (atual Croácia). Seus ancestrais belgas haviam emigrado para lá no século XVIII. Seu pai – pessoa de ascendência italiana e belga – era funcionário do Império Austríaco, como havia sido o avô. A mãe de Suppé era vienense de nascimento. Tinha parentesco distante com Gaetano Donizetti. Simplificou e germanizou seu nome em Viena e mudou o “Cavalieri di” para “Von”. Fora dos círculos germânicos, seu nome aparecia nos programas como Francesco Suppé-Demelli.

Passou a infância em Zadar, onde recebeu as primeiras lições de música, tendo começado a compor com pouca idade. Quando menino, não tinha nenhum incentivo de seu pai para se dedicar à música, mas foi ajudado por um maestro local e pelo maestro da Catedral de Split onde nasceu. Estudou direito em Pádua, mas perseguindo seus interesses musicais, durante visitas à Milão, ele ouviu óperas de Rossini, Donizetti e conheceu o jovem Verdi. A partir de 1844, a ele foi confiada também a direção das operas italianas.

catedral de Split

Mas, foi em 1860, que a opereta em dois atos "Das Pensionat" consagrou von Suppé como o primeiro compositor do gênero de opereta, no "Theater an der Wien" (Teatro de Viena).

Sua Missa dalmática data desse período inicial. Como adolescente em Cremona, Suppé estudou flauta e harmonia. Sua primeira composição foi uma Missa Católica Romana que estreou na igreja franciscana de Zadar em 1832. Aos 16 anos mudou-se para Pádua a fim de estudar direito – um campo de estudo não escolhido por ele – no entanto continuou a estudar música. Suppé foi também cantor, tendo feito sua estreia como ‘basso profundo’ no papel de Dulcamara na ópera “O Elixir do Amor”, de Donizetti, no teatro Sopron em 1842.




Foi convidado a ir a Viena por Franz Pokorny, diretor do Theater in der Josefstadt. Na capital austríaca, depois de estudar com Ignaz von Seyfried e Simon Sechter, chegou a reger a orquestra local, sem ser remunerado de início, mas tendo a oportunidade de apresentar suas próprias óperas.

Suppé compôs música para mais de cem produções no Theater in der Josefstadt bem como no Carltheater em Leopoldstadt e no Theater na der Wien. Encenou também algumas produções operísticas importantes como “Os Huguenotes”, de Meyerbeer, em 1846.





A abertura mais popular de von Suppé é a da opereta "Cavalaria Ligeira" (Em alemão: "Leichte Kavallerie") que estreou em Viena em 1866. Embora esta opereta raramente seja encenada ou gravada, esta abertura é uma das composições mais populares de von Suppé, e alcançou mais sucesso que a própria opereta da qual faz parte.




Muitas orquestras, e principalmente as bandas,  de todo o mundo, têm esta peça em seu repertório. O tema principal da abertura foi citado inúmeras vezes por músicos, desenhos animados e outras mídias. Como exemplo cita-se o filme "Symphony Hour" de 1942, que é um curta metragrem americano produzido por Walt Disney e lançado pela RKO Radio Pictures. O desenho mostra Mickey Mouse conduzindo uma orquestra sinfônica. O filme foi dirigido por Riley Thomson e apresenta como música adaptada, esta abertura da "Cavalaria Ligeira.




Franz von Suppé fez várias óperas, mas nenhuma delas sobreviveu ao tempo. Apenas algumas operetas são guardadas em suas aberturas ou outras passagens, sendo as mais famosas Boccacio, Donna Juanitta, O Poeta e o Camponês,  Cavalaria Ligeira, Das Pensionat.


1- Boccaccio, ou o Príncipe de Palermo

Boccaccio
Opereta por Franz von Suppé
Franz von Suppé.jpg
O compositor da opereta, c. 1885
Título Native Boccaccio, oder Der Prinz von Palermo
Tradução Boccaccio, ou o Príncipe de Palermo
Libretista
Camillo Walzel
Richard Genée
Língua Alemão
Premiere 01 de fevereiro de 1879  - Carltheater , Viena




Boccaccio, oder Der Prinz von Palermo ( Boccaccio, ou o Príncipe de Palermo ) é uma opereta em três atos de Franz von Suppé para um libreto alemão de Camillo Walzel e Richard Genée, baseado na peça de Jean-François-Antoine Bayard, Adolphe de Leuven, Léon Lévy Brunswick e Arthur de Beauplan, baseado por sua vez na "The Decameron" de Giovanni Boccaccio.

Uma observação sobre a obra Decameron se faz necessária: O Decameron ( italiano : Decamerone ), com o subtítulo Prencipe Galeotto ), é uma coleção de novelas do autor italiano do século 14, Giovanni Boccaccio (1313-1375). O livro é estruturado como uma história em moldura contendo 100 contos narrados por um grupo de sete jovens mulheres e três jovens homens, abrigados em uma casa isolada, fora de Florença para escapar da peste negra, que aflige a cidade. Boccaccio provavelmente concebeu o Decameron após a epidemia de 1348, e completou-a 1353. Os vários contos de amor em O Decameron apresentam-se com uma gama do erótico ao trágico. Contos de humor, piadas, e lições de vida contribuem para o mosaico. Além de seu valor literário e ampla influência, como por exemplo, em Chaucer 's Canterbury -Tales Os Contos de Cantuária, que fornece um documento de vida daquele momento. Escrito no vernáculo da língua florentino, é considerado uma obra-prima do clássico italiano em prosa.





A ópera foi apresentada pela primeira vez no Carltheater, em Viena, em 01 de fevereiro de 1879.
Uma tradução para o inglês foi feita por Oscar Weil e Gustav Hinrichs por volta de 1883.

Personagens:

Fiametta, filha adotiva de Lambertuccio   soprano
Giovanni Boccaccio, romancista e poeta meio-soprano
Beatrice, a esposa de Lambertuccio soprano
Isabella, a esposa de Lotteringhi meio-soprano
Peronella        contralto
Pietro, Prince of Palermo tenor
Lambertuccio, o dono da mercearia barítono
Lotteringhi, o cooper            barítono
Scalza, o barbeiro barítono
Leonello, amigo estudante de Boccaccio barítono
Checco, um mendigo baixo
Fratelli, o livreiro barítono
Majordomo barítono
Mendigos, estudantes, funcionários, filhas de Donna Pulci - chorus



SINOPSE:

Época: 1331.
Local: Florence

No início de Florença renascentista, as novelas eróticas do poeta Boccaccio causaram um rebuliço e os moradores ficaram divididos nos fãs de seus contos escandalosas e seus maridos ciumentos. A trama é chocada pelos maridos para perseguirem Boccaccio na cidade e tê-lo preso. Mas Boccaccio tem outros planos, incluindo um para ganhar a mão da filha do duque Fiametta, que ele finalmente consegue fazer depois de encontrar o favor com o Duque.


Ver resumo completo no livro "O Livro Completo da Ópera" do Kobbé, pág.203





Melhor opereta de Suppé.

Arias, duetos e ensembles:

"Ich sehe einen jungen Mann dort stehn" (Boccaccio)

"Hab 'ich nur deine Liebe" (Fiametta, mais tarde, com Boccaccio)




Act 1 Finale (queima de livros)
Serenade (Boccaccio, Pietro, Leonetto)


Canção de Cooper (Lotteringhi)
Sextet Lovers '
Duet "hat Florenz Schöne Frauen (Mia bella florentina)" (Fiametta, Boccaccio)
Ato 3 Finale (conselho de Boccaccio)


















                                            Poet and Peasant Overture - Franz von Suppé



                                    


Peter Cornelius - Carl August Peter Cornelius(1824 - 1874) foi um compositor alemão que escreveu três óperas, dentre elas a que fez mais sucesso foi "O Barbeiro de Bagdá", mas infelizamente este sucesso só veio depois de sua morte. As outras duas também famosas são "Der Cid" e "Gunlöd".



Filho de atores e, a princípio, destinado a uma carreira teatral, Cornelius perdeu o pai muito cedo. Em 1843 foi morar em Berlim com seu tio e padrinho Peter von Cornelius, de quem herdara o nome. Este o colocou como aluno de composição de Siegfried Dehn e paralelamente se pôs em contato com os círculos intelectuais e literários da capital, despertando nele o interesse pela escrita.

Por isso, ele é o autor de seus próprios libretos e refinado tradutor das óperas francesas de Gluck, e produziu críticas, ensaios e poesias.

Em 1852, conheceu Liszt que se tornou seu "mestre, amigo e benfeitor", transformando-o num defensor da música de Wagner que passou a tê-lo como modelo para suas composições. Entretanto, o lado sério das histórias não era propriamente 'a sua praia' e foi na comédia que ele encontrou um tom deliciosamente pessoal. Assim, fez sua primeira ópera: Der Barbier von Bagdad.

A ideia inicial era compor um Singspiel em um ato, mas Liszt lhe propôs que expandisse o libreto, transformando-o numa ópera em dois atos.

A partir de 1859-1864 Cornelius viveu em Viena, onde se tornou um amigo de Richard Wagner. Em 1865 ele acompanhou Wagner para Munique e foi leitor ao rei Ludwig II da Baviera e professor da Escola Real de música. Ele escreveu duas outras óperas, Der Cid (1865; libreto adaptado por ele a partir da peça de Pierre Corneille ) e Gunlöd (libreto adaptado do Edda ), que foi concluída após sua morte por Carl Hoffbauer e Eduard Lassen e produzida em 1891.


Os trabalhos mais destacados:
Der Barbier von Bagdad , ópera buffa (1858)
Brautlieder (1856)
Weihnachtslieder op.8 (1856)
Der Cid , ópera (1865)
Stabat mater para solistas, coro e orquestra (1849)
Requiem Seele Vergiss nicht sie , depois de um poema de Hebbel (1872)
Quartetos de cordas
Gunlöd , ópera inacabada em três atos (1869-1874) após a Edda (1906)
Missa em D Menor, CWV 91 para dois solistas, coro e órgão, cordas






1- Der Barbier von Bagdad , ópera buffa (1858)

Der Barbier von Bagdad ( O Barbeiro de Bagdá ) é uma ópera cômica em dois atos de Peter Cornelius para um libreto alemão do próprio compositor, baseado em "The Tale of the Tailor" e As Histórias do Barbeiro de seus seis irmãos em As Mil e Uma Noites. A primeira das três óperas de Cornélio, a peça foi apresentada pela primeira vez no Hoftheater em Weimar em 15 de dezembro de 1858.




Cornelius planejou o trabalho como uma comédia em um ato, mas a conselho de Franz Liszt expandiu para dois. Franz Liszt mais tarde organizou a segunda abertura para orquestra (S.352). Diferente da maioria das óperas cômicas alemães da época, que se manifestavam com diálogos, Der Barbier von Bagdad faz através da continuidade da composição musical. Cornelius ofereceu uma ópera inventiva e complexa como uma alternativa para os compositores alemães de ópera contemporâneos, como Richard Wagner, cujo fervor ideológico ele lhe dedicava.

Na sua primeira apresentação da ópera foi um fracasso, e não foi tocada novamente na vida do compositor. O mentor do compositor e amigo Franz Liszt regeu a estréia. No entanto, ações políticas por parte do diretor do teatro resultou em manifestações contra Liszt e na chamada escola neo-alemã de composição. A ópera foi encerrada depois de apenas uma performance, e Liszt renunciou a seu posto. Cornelius também deixou Weimar.
No final do século 19 duas versões foram feitas, pelos condutores wagnerianos notáveis ​​Felix Mottl e Hermann Levi. Em Nova Iorque a obra foi tocada pela primeira vez em 1890 pelo Metropolitan Opera House Company e em Londres, em 1891. Por fim, em junho de 1904, a versão original como composta por Cornelius foi novamente encenada no Weimar Hoftheater, desta vez para aprovação popular e aclamada pela crítica.

No século 20, a ópera foi realizada com pouca freqüência no exterior, mas realizou em companhias de ópera alemães usando o texto original, ao invés das revisões. É assim que felizmente ela é hoje conhecida, gravada por Erich Leinsforf (1956). Existe uma boa versão vienense, gravada ao vivo, com Heinrich Hollreiser quem rege também a versão filmada de 1990.

Tem um valor menor no repertório operático.




Mas, a maior qualidade desta ópera é a estrutura fluente do seu libreto, escrito com versos elegantes, rimas divertida e elaboradas, e o uso de técnicas para melhor obter efeitos cômicos. Não deixa de haver uma bem-humorada paródia de seu colega rossiniano.

Há aqui uma novidade absoluta em termos de ópera bufa, que a faz preceder a renovação neste campo, que só virá mais tarde com o Falstaff de Verdi, que é o uso da técnica wagneriana da escrita orquestral contínua.





Personagens:

Nureddin tenor
Bostana         meio-soprano
Abdul Hassan Ali Ebn Solteiro, o barbeiro barítono
Margiana soprano
Baba Mustapha, o Cadi     tenor
O Califa     barítono
Coro: servos de Nureddin, amigos do Cadi, pessoas de Bagdá, as carpideiras, seguidores do califa .





Sinopse :
O herói, Nureddin, está apaixonado por Margiana, filha do Cadi. Bostana, um parente do Cadi, aprovando Nureddin, ajuda-o a conquistar Margiana fazendo-se apresentável. Abdul Hassan, o barbeiro é convocado, e como o seu confrade de Sevilha, na ópera de Rossini, ele adota o papel de co-conspirador no romance. (Igual a Figaro de Rossini, ele entrega uma virtuosa aria patter, "Bin Akademiker".




Margiana aguarda Nureddin em aposentos das mulheres da casa de seu pai. Ele propõe a casá-la com um amigo rico, mas quando ele sai, Nureddin entra para cortejar Margiana. A trama farsesca tradicional, em seguida, revela, com o barbeiro arrombando, Nureddin escondido em um baú do tesouro e ser levado por servos, e um final feliz quando o califa chega e Nureddin é liberado e prometido a Margiana.


Ver a sinopse completa no livro de Kobbé, "O Livro Completo da Ópera", pág. 205









2- "Der Cid" 




Cornelius usou três fontes para elabora o libreto de Der Cid: a peça espanhola "Las mocedades del Cid"(1618), de Guillém de Castro y Bevis e as tragédias do francês Pierre Corneille(1613) e de seu compatriota Johann Gottfried von Herder(1804). Essa multiplicidade de fontes concorre para que o libreto tenha bastante flexibilidade formal.




Sua estreia foi em Hoftheater de Weimar em 21 de maio de 1865 e dessa vez a aacolhida foi favorável.

Der Cid tem a típica estrutura do drama lírico wagneriano com um estilo declamatório de canto que abre pouco espaço para as ornamentações vocais tradicionais.

O Cid nunca conseguiu alcançar a mesma popularidade da ópera anterior e só voltou à cena em 1891, revista e 'wagnerizada' por Hermann Levi. Foi Max Hasse que lhe devolveu a forma original, para remontagem em Weimar em 1904.



3-  "Gunlöd".




Cornelius não chegou a terminar "Gunlöd"em que trabalhava desde 1866, usando lendas da Edda , sob visível influência das óperas do Anel. Quando morreu, tinha esboçado praticamente toda a obra e terminado alguns trechos, mas nada havia orqueastrado. Karl Hoffbauer e Ernest Lassen editaram a partitura para a estreia de 1891 em Munique.

Posteriormente, Waldemar von Bausznern fez uma revisão da obra completa que Hasse publicou em Leipzig(1906).





                                     



Até a próxima.

Levic

2 comentários:

  1. Legal.... Adorooooo =] By:Daniella Benunes

    ResponderExcluir
  2. Igual a mim das epocas passadas By:Fernanda Soares

    ResponderExcluir