sexta-feira, 27 de novembro de 2009

6.2.3.Lully- As comédies-ballets- Continuação


2 ª parte: As "comedies-ballets" de Lully e Molière: :


As comédias-ballets de Lully (óperas ballets)



10-1670 - Le Bourgeois gentilhomme



"Le Bourgeois gentilhomme" (traduzido para o português como O Burguês Fidalgo, O Cavalheiro Burguês, ou O Burguês Ridículo). O Burguês Fidalgo é uma comédia-ballet de Molière e Lully, feita em cinco atos em prosa (exceto para as entradas que estão para ballet que são em versos), representada pela primeira vez a 14 outubro de 1670 , diante da corte de Louis XIV , no Château de Chambord pela trupe de Molière. A música é de Jean-Baptiste Lully, os ballets de Pierre Beauchamp, os cenários de Carlo Vigarani, os costumes e figurinos turcos de chavalier Arvieux.


Le Bourgeois gentilhomme satiriza as tentativas de ascensão social da personalidade burguesa, colocando o tema no divertimento tanto no vulgar, como na pretensão da classe média e na aristocracia esnobe. O título pretende ser um paradoxo, porque na França de Molière, um "gentleman", por definição, é uma pessoa nobremente nascida, e, portanto, não poderia haver tal coisa como um 'cavalheiro burguês'.


Esta peça encarna o tipo de comédia-ballet com perfeição e é uma das poucas obras-primas nobres, que tem mobilizado os melhores atores e músicos de cada época.

Uma das razões que ganhou sucesso imediato é o sabor de poder satirizar, na época do reinado de Louis XIV, a tendência que marcou a sociedade francesa para então o que se chamou de "les turqueries", todas as coisas relacionadas com o Império Otomano. O Império Otomano ficou sendo uma preocupação nas mentes de sua corte e a origem do trabalho de Molière está relacionado ao escândalo causado pelo embaixador turco Soliman Aga , que, durante sua visita à corte de Louis XIV em 1669, afirmou a superioridade da corte otomana sobre a do Rei-Sol.

Soliman (ou Suleiman) Mustapha Aga Raca foi um emissário de Mehmed IV, sultão do Império Otomano, que enviou uma embaixada ao rei Louis XIV, em novembro de 1669. A visita, destinada a restabelecer as relações diplomáticas entre França e Turquia, foi um completo fracasso. No entanto, proporcionou a dois eventos importantes: a introdução do café na França e na criação do Burguês Fidalgo de Molière e Lully . Os detalhes de sua viagem é conhecido por nós através do testemunho dado pelo Chevalier Laurent d'Arvieux em sua memórias .
Lully e Molière já haviam colaborado em outros balés cômicos - obras dramáticas que incorporavam música e dança ao drama falado -, mas foi com essa peça que atingiram o ápice do gênero. A obra apresenta interlúdios musicais entre os atos que, na verdade, fazem parte da própria peça. O primeiro interlúdio, por exemplo, consiste na história de um professor de dança mostrando passos de balé (ele ensina o "fidalgo burguês" do título a se comportar em sociedade). A inclusão de professores de música e dança na trama permite a mistura de música, dança e drama em uma só obra. Tanto o texto como a música são leves e satíricos, com frequentes alusões mordazes ao estilo turco e outras modas musicais modernas.

Na primeira vez de sua apresentação ela constava de 3 atos , e embora fosse transformada em cinco atos em 1671, foi impressa em três atos por Ballard em 1681, e portanto ficou registrada como sendo de 3 atos.


A produção original reuniu os melhores atores e músicos da época. Molière desempenhou o papel de Monsieur Jourdain, e os figurinos foram de cores brilhantes enfeitadas com rendas de prata e penas muilticoloridas. Hubert interpretou Madame Jourdain; Mlle de Brie jogou como Dorimène; Armande Béjart pegou o papel de Lucile, e o compositor Lully dançou o "mufti" nos últimos ato das "Cérémonie des Turcs".

Como é sabido, a generalidade das peças de Molière com Lully era acompanhada de música, com longas partes dançadas e cantadas, à maneira do teatro antigo, as quais foram chamadas de comedies-ballets. Infelizmente a quase totalidade das representações modernas amputa o espectáculo ao ignorar estas seções. Desta forma, é uma das comédias mais representadas no mundo inteiro, com grandes novidades inseridas não só no discurso do texto mas até mesmo adaptada ao tempo real com o linguajar próprio da época. Muitas performances negligenciaram da parte musical e da dança, deixando a peça completamente aleijada de todo o seu clima, pois a composição de prosa, música e dança é que fazem sobressair o sabor desta comédia.

Várias adaptações foram feitas no decorrer do tempo, assim tanto para teatro como para temas de filmes. A primeira performance do "Der Bürger als Edelmann", uma versão alemã da peça, teve lugar em 25 de outubro de 1912, adaptada por Hugo von Hofmannsthal, com música incidental por Richard Strauss. O "turquerie" foi substituído por um anexo operático em "Ariadne auf Naxos" , composta por R.Strauss para um libreto de Hofmannsthal, na qual Ariadne é levada para uma ilha deserta onde é abandonada e não por acaso é uma commedia dell'arte. O conjunto foi dirigido por Max Reinhardt. Acontece que esta primeira versão baseada na peça de Molière saiu-se frustrante, pois a combinação de teatro e de ópera mostrou-se problemática para um público seleto acostumado com óperas. Hofmannsthal criou uma segunda versão revista da peça, restabelecendo o turquerie e a remoção da ópera. Strauss desde a música mais incidental, incluiu alguns arranjos de Lully. Assim, a segunda versão constou de um prólogo e mais um ato, de modo que na primeira parte se mostra as circunstâncias nos bastidores que antecederam a segunda parte, que é na verdade uma ópera dentro de uma ópera.
Esclarecendo melhor esta parte, pode-se dizer que a primeira versão da Ariadne auf Naxos (1912) juntava, à moda da «comédie-ballet» de Lully, uma adaptação de "Le Bourgeois gentilhomme", de Molière, com a ópera de Strauss (por sua vez uma mistura de «commedia dell'arte» e tragédia grega). Os híbridos, às vezes, geram monstros e foi o que aconteceu na estreia, que durou mais de seis horas! Impunha-se, pois, uma separação e aí a ópera renasceu com um Prólogo, e mais um ato. Mais tarde, Strauss reciclou a música incidental que compusera para o Bourgeois numa suite orquestral com as duas árias de Ariadne da ópera propriamente dita.

George Balanchine coreografou uma versão moderna em 1979 para o New York City Opera , usando a partitura de R. Strauss. A produção foi estrelada por Jean-Pierre Bonnefoux, Patricia McBride , Rudolf Nureyev , Darla Hoover , Michael Puleo e alunos da School of American Ballet.

Em 2006, Alain Sachs deu um desempenho com jogos modernos e fantasias com Jean-Marie Bigard no papel de Monsieur Jourdain.
Em 2009, houve uma adaptação em que alguns papéis foram interpretados por bonecos e robôs. A transcrição da trama para o mundo do teatro japonês Bunraku inova também pela sua distribuição, onde os atores manipulam os outros personagens animados, e o Grand Turk se torna a grande coisa.

A peça se passa inteiramente na casa do personagem principal, em Paris. O pouco inteligente Jourdain, um burguês de meia idade cujo pai enriqueceu como comerciante de tecidos, tem como única meta na sua vida ascender de seu status como membro da classe média e ser aceito como um cavalheiro aristocrata. Para conseguir isto, encomenda roupas nos melhores alfaiates e se sente muito importante quando os vendedores o chamam, de maneira sarcástica, de "meu Senhor". Para ser um perfeito cavalheiro ele se empenha para aprender as artes cavalheirescas da dança, música, filosofia e esgrima, apesar de sua idade já avançada.

Entretanto, nessas tentativas em querer ser aceito como um cavalheiro, acaba sempre por fazer um papel ridículo, para o desgosto de seus professores. Numa cena célebre, sua aula de filosofia acaba se transformando numa lição básica de francês na qual ele se surpreende ao descobrir que sempre falou em prosa por toda a sua vida sem nem o saber.

A senhora Jourdain, sua esposa, vê a situação constrangedora pela qual ele está passando e lhe pede que retorne à sua vida despretensiosa de classe média, mas sem obter sucesso.

Acontece que um nobre aproveitador e sem dinheiro chamado Dorante acaba por se associar ao senhor Jourdain, que ele odeia secretamente, porém o adula em público, estimulando seus sonhos aristocráticos, mentindo que ele teria mencionado seu nome ao rei, em Versalhes, a fim de conseguir que Jourdain pague suas dívidas.

Os sonhos de ascensão social de Jourdain cada vez ficam maiores: ele sonha em se casar com uma marquesa, Dorimène, e em casar sua filha Lucille com um nobre. Ela, no entanto, está apaixonada com um rapaz de classe média, Cléonte, com quem ele a proíbe de se casar.

Cléonte então, com a ajuda de seu valete, Covielle, se disfarça e se apresenta a Jourdain como filho do sultão da Turquia. Jourdain fica entusiasmado e consente com prazer em conceder sua filha em casamento a um monarca estrangeiro, e fica ainda mais embevecido quando o "príncipe turco" o informa que, ele como pai da noiva, também receberá um título de nobreza numa cerimônia especial.

A comédia se encerra nesta cerimônia engraçada, deixando o público com o riso nos lábios diante da constatação do surgimento do rico burguês que quer imitar o comportamento e modo de vida dos nobres, custe o que custar.
A peça teve tanto sucesso na sua representação que algumas de suas frases cairam na expressão popular, como por exemplo: no Ato II, Cena IV, Mr. Jourdain aprendeu, durante uma discussão com seu mestre de filosofia, que pratica a prosa muito tempo sem sabê-lo e diz, ingenuamente - "Pela minha fé! há mais de 40 anos que tenho falado em prosa sem saber de nada, e estou muito agradecido por ter me ensinado isso. "

Por extensão, aplica-se chamar de Monsieur Jourdain significando que alguém quando realiza uma atividade sem ter conhecimento de sua existência. Ou então: "Siga-me, eu vou mostrar um pouco minhas roupas na cidade. " (Act cena III 1), como se a ostentação de roupas mudasse o nível social.

Personagens
Senhor Jourdain, um burguês
Senhora Jourdain, sua esposa
Lucile: sua filha
Nicole: sua criada
Cléonte: pretendente de Lucile
Covielle: criado de Cléonte, interessado em Nicole
Dorante: conde, pretendente de Dorimène
Dorimène: marquesa, uma viúva
Professor de música
Pupilo do professor de música
Professor de dança
Professor de esgrima
Professor de filosofia
Alfaiate
Aprendiz de alfaiate
Dois criados
Diversos músicos, instrumentistas, dançarinos, cozinheiros, aprendizes de alfaiate e outros personagens (homens e mulheres) são necessários para os interlúdios.

Jourdain é um personagem criado e interpretado pelo próprio Molière, sendo o personagem principal da história. É um personagem 'sui generis' nesta obra de Molière, o que representa que ele tem uma vida imaginária, que gosta de bajulação e acredita-se cavalheiro por poder adquirir a materialidade dos nobres sem entender o significado real da classe que compõe a nobreza. É inútil, ingênuo e caprichoso.

Madame Jourdain é a sua mulher sempre que aparece é para opor-se ao seu marido e desempenha um papel intrigante no final da hstória.

Lucille é a filha de Mr. Jordan. Um dos principais contrastes. Ela mantém os aspectos frágeis da jovem no amor ingênuo.

Nicole, a empregada, com o seu riso e seu caráter camponês, conversa com seu patrão de uma forma descontraída, sem complexos.

Cléonte é o clichê do amor de um homem honesto, mas um jovem libertino como filho imaginário do Grand Turk.

Covielle é o servo de Cléonte e namora Nicole, a criada de Lucile. Mas o seu papel comédia de "turca". não é mais a serva, torna-se desequilibrada.

Dorante desempenha um papel desconcertante, com intrigas e sem escrúpulos, e é também um cúmplice da armadilha organizada por Covielle e Cléonte.

Dorimène é uma viúva que pode fazer tudo, apesar de todos os esforços do M Jourdain. Isso implica no Ato III, que ela vai se casar com Dorante e confirma suas palavras no Ato IV.

O professor de música é um homem que pratica a arte de ganhar dinheiro. Ele considera M Jourdain como uma maneira fácil de ficar rico, e se opõe ao Mestre de Dança, que se beneficia da generosidade de seu aluno, mas ele seria capaz de dançar ao valor justo.

O Mestre de Armas ensina a manipulação das armas para o Sr. Jordan. Muito seguro de si e da superioridade da ciência do combate, ele irá causar uma discussão entre ele e o Mestre de Dança e o Mestre de Música por seu desprezo por suas artes. Todos se voltam para a luta quando o Mestre de Filosofia, mais retórico do que verdadeiro filósofo, decretou a supremacia do que ele chamou de filosofia, quando na verdade o aprendizado é dos movimentos dos lábios M. Jourdain envolvidos na pronúncia das vogais e algumas consoantes.

As músicas criadas por Lully abrangem várias modalidades como Sarabanda, Bourrée, Gaillarde Canarie, Gavota, Chaconne, Marcha e Árias.


Muitos esquecem que entre as vinte e oito obras conhecidas de Molière, doze são comédias-ballet, onde a dança tem mais importância quantitativa do que o texto. A encenação do Bourgeois Gentilhomme, com todas as danças previstas pelo autor, durava cinco horas e meia, enquanto que a representação reduzida ao texto dura só duas horas.

Ao misturar dança e comédia, Molière apenas seguia o costume dos autores de farsas e de comédias de seu tempo, mas o fez de forma brilhante. Esta peça extraordinariamente bela e enérgica mostra a força do teatro operático francês, atingindo o grande sucesso. Logo a seguir a esta peça, a dupla Lully e Moliére encerram definitivamente suas parcerias.































A partir de agora, falaremos das tragedies-lyriques de Luly.

Levic

Um comentário: