terça-feira, 2 de agosto de 2011

112- A ópera na Espanha - As zarzuelas

A ópera na Espanha teve um desenvolvimento mais lento, em comparação ao da França, Itália e Alemanha que tiveram as tradições de ópera genuina desde o início do século 17. Com a exportação crescente da ópera italiana, a partir do século XVII para países vizinhos, a Espanha e a França são os primeiros a ensaiar uma forma de repúdio àquele domínio cultural e criam, cada um a sua maneira, seu próprio estilo operístico.

As primeiras óperas espanholas também apareceram na metade do século 17, com libretos de escritores famosos, tais como Calderón de la Barca e Lope de Vega para a música de compositores como Juan Hidalgo . Estas primeiras óperas, no entanto, não conseguiram se fixar na imaginação do público espanhol. Somente com a popularidade crescente de gêneros como a ópera balada e a "opéra comique" que a ópera na Espanha começou a ganhar força, já que o uso da palavra no vernáculo espanhol, inevitavelmente, incentivou os compositores espanhóis para desenvolverem o seu próprio estilo nacional de ópera: a zarzuela.

Embora o gênero zarzuela possa ser identificado com a ópera italiana por sua estrutura formal, ele não é considerado como similar daquela por não possuir música contínua, acompanhando ou não as falas do libreto. A zarzuela é constituída de partes cantadas (acompanhadas de música) e partes faladas, geralmente cômicas, sem qualquer som instrumental. Por causa disso, muitos compositores e poetas espanhóis insistiram no modelo italiano como espetáculo culto (aceito pelas elites), para promover o canto lírico no idioma de Cervantes. A zarzuela, por seu caráter mais popular, principalmente na utilização do texto falado e cômico, foi identificada como ópera “menor” em relação ao modelo italiano, o predominante nos teatros oficiais da corte.

A ópera floresceu na Espanha durante o século XVIII, com dois compositores excelentes, Sebastián Durón e Antonio Literes, e que com sua ópera Accis y Galatea (1708)de Literes foi particularmente muito popular.





Antonio Rodríguez de Hita ( 1722 - 1787) que usou violões , bandolins, pandeiros e castanholas e dança incorporada a sua ópera "Las labradoras de Murcia" (1769) é também digno de nota para este século.

A vinda de compositores de ópera italiana para a Espanha fez com que a forma nativa da zarzuela cada vez mais ficasse fora de moda, embora em 1786, o italiano Boccherini, tenha escrito uma zarzuela espanhola para o palácio de La Puerta de la Vaga em Madrid, chamada "La Clementina", com um libreto do poeta Ramón de la Cruz , (o rival espanhol de Metastasio) que foi uma obra-prima negligenciada da lírica espanhola. Claramente, a zarzuela ainda era digna dos maiores talentos que a Espanha poderia reunir.

Entretanto, a influência italiana era muito consistente e se viu predominar o gosto e o incentivo para este estilo de óperas. Neste sentido, a zarzuela original foi substituída por um simples entretenimento, ficando a imperar o modelo de ópera italiana ou mesmo modelos italianos em zarzuelas.

Em meados do século 19 houve um interesse renovado da zarzuela na Espanha, e assim como em outros países, se viu uma crescente consciência nacional dando origem a estilos distintos para combater a influência predominante da ópera italiana.


O "Teatro de la Zarzuela" , em Madrid se tornou o centro de atividade, e dezenas de empresas na capital, nas províncias, e nos lugares de língua espanhola (América Central e América do Sul) estavam ocupados em colocar o desempenho da zarzuela no repertório dos teatros. Era a época de ouro da zarzuela.

O compositor Francisco Asenjo Barbieri , que teve como objetivo criar um estilo marcadamente operístico nacional, que fundiu o tonadilla tradicional e aristocrática, drama antigo para uma nova forma evoluída do italiano para uma ópera cômica, e em contrapartida, Emilio Arrieta ficou mais perto de 'puro' romantico de modelos italianos em zarzuelas, como "Marina "(1855). Os dois se tornaram rivais intensos dentro dos olhos do público e seu comportamento concorrencial fez a zarzuela ficar extremamente popular.





Outros compositores, tais como Tomás Bretón e Ruperto Chapí , escreveram zarzuelas, e o tipo menos conhecido de gênero - o "chico genero"(pequeno gênero) que foram farsas em um ato. Estas óperas farsas, muitas vezes contendo sátira social e política, continham menos música e diálogo falado do que outras formas de zarzuela. O "chico genero"atingiu seu auge de popularidade nos anos 1880 e 1890 com o compositor Federico Chueca.





No século 20, a zarzuela evoluiu com o gosto popular, embora a mistura de cena e música de ópera falada em proporções aproximadamente iguais tenham permanecido. Operetas e zarzuelas, principalmente por Pablo Luna e Amadeo Vives , coexistiram com o estilo farsas, e foram revistas como "Las Leandras" de Francisco Alonso (1931) e os dramas sentimentais de José Serrano, "La Dolorosa" (1930).
Francisco Alonso


Pablo Lunas


Amadeo Vives




La Dolorosa- Jose Serrano


Na década de 1930, Pablo Sorozábal tentou restaurar o impulso satírico da década de 1890, mas após a guerra civil espanhola a qualidade característica da Zarzuela foi perdida na imitação de musical da Broadway . Desde 1960, poucas obras novas entraram no repertório, mas a popularidade das clássicas zarzuelas continuam.





É marcado que o nacionalismo da ópera espanhola começou com Felipe Pedrell , mais influente como professor, sendo que de suas 10 óperas, a mais imponente poderia ter sido a que está contida em uma trilogia, baseada em um libreto catalão por Victor Balaguer , mas apenas as duas primeiras seções, "Los Pirineos" (1891, "Os Pirinéus") e "La Celestina" (1902), foram concluídas, e só a primeira foi encenada.

Os compositores espanhóis mais conhecidos são Isaac Albéniz e Enrique Granados, sendo que ambos compuseram óperas de cor fortemente espanhola , as quais tem sido incluidas a partir do repertório de Albéniz, particularmente nos quadros de um ato de "Pepita Jiménez" (1896),que é baseada no romance de mesmo nome de Juan Valera e a de Granados, a ópera Goyescas (1916), com libreto de Fernando y Zuaznabar Periquet, que ficaram famosas. Marcadamente famosas são as óperas de Manuel de Falla. Estes serão do próximo post.

Texto de referência:

Levic


Um comentário:

  1. Oi tudo bem...muito bom o blog! Eu queria saber onde acho partituras do Francico Alonso Barbieri da ópera Zarzuela La Calesera.. Tenho percisado dela. Obg

    ResponderExcluir