quarta-feira, 10 de março de 2010

19- A era clássica - Antonio Salieri-Alemanha







Antonio Salieri (1750-1825), discípulo de Gluck, foi professor de Beethoven, de Schubert e de Liszt. Escreveu óperas em italiano, francês e alemão. Após 1804 voltou-se para a música sacra e instrumental. Compositor italiano, foi um dos mais bem-sucedidos autores de ópera do final do século XVIII na Europa. Foi criado no seio de uma família próspera de comerciantes. 



Salieri estudou violino, orgão, viola, cravo, contrabaixo, violoncelo e espineta com seu irmão Francesco, que era aluno de Giuseppe Tartini. Após a morte prematura de seus pais, mudou-se para Pádua, e a seguir para Veneza, onde estudou com Giovanni Battista Pescetti.


Nesta cidade conheceu Florian Leopold Gassmann em 1766, que o convidou a servir na corte de Viena, onde o instruiu em composição baseada na obra de Johann Joseph Fux, o tratado Gradus ad Parnassum.
Permaneceu em Viena até ao fim da sua vida.

Viena

Foi nessa época, em 1770,  que fez sua estréia com a ópera Le Donne Letterate. O ápice da fama chegou quatro anos depois, quando ele assumiu o cargo de Gassmann e se tornou compositor da corte do imperador José II e diretor da orquestra do Teatro Municipal de Viena. Conheceu a sua esposa, Therese von Helfersdorfer, em 1774. e desta união nasceram oito filhos. Salieri tornou-se Maestro da Orquestra Imperial em 1788, cargo que manteve até 1824.




Poucos músicos tinham o privilégio de um salário – a maioria era obrigada a se contentar com encomendas dos poucos mecenas endinheirados ou com turnês  pelas capitais europeias. Era o caso de Wolfgang Amadeus Mozart, um austríaco seis anos mais novo que o italiano. Enquanto Salieri compunha a ópera que inaugurou  o fantástico Teatro della Scala, em Milão, Mozart se esfalfava tocando pela Itália. Enquanto Salieri dava aulas a alunos ilustres, como o austríaco Schubert, o húngaro Liszt e o  alemão Beethoven, Mozart amargava uma malsucedida tentativa de ganhar a vida em Paris. Em 1781, Mozart mudou-se para Viena, onde fez sucesso. Mas nada que se comparasse ao estrelato de Salieri.





Trinta anos mais tarde, na década de 1820, o Romantismo, um movimento artístico baseado na sensibilidade e no lirismo, tinha se espalhado pela Europa. Os românticos adoravam  Mozart e seu estilo arrebatado e desprezavam o conservadorismo de Salieri. Surgiu então o boato de que o austríaco fora envenenado pelo italiano. Ninguém sabe onde a história  nasceu. Mas é previsível que alguém inventasse um final trágico para a vida do maior músico de todos os tempos – os românticos adoravam histórias assim (bem, esta é uma das versões).




Salieri continuava vivo e era atormentado pelas intrigas. A suposta confissão do crime, nunca comprovada, teria sido feita em 1823, quando o italiano estava internado em um hospício. Ele morreria dois anos depois.

Em 1830, outro gênio, o escritor russo Aleksandr Pushkin, escreveu o drama Mozart e Salieri, no qual descreve a cena em que Salieri derrama veneno na bebida de Mozart. Essa  cena foi revivida várias vezes depois – primeiro na ópera Mozart e Salieri, que Rimskji-Korsakov compôs em 1898, depois na peça Amadeus, que Peter Shaffer escreveu em 1970, e,  finalmente, no filme homônimo, que Milos Forman dirigiu em 1984. Ficou para a história a versão, por mais improvável que ela fosse. Mas, o rumor de que Mozart teria sido morto envenenado por Antonio Salieri, que supostamente odiava-o e invejava a sua genialidade musical, continua até hoje.




Alguns pesquisadores levantam a hipótese desta desconfiança ter vindo desde quando a ópera de Mozart "As Bodas de Fígaro", em princípio, teve um juízo negativo do público e do próprio imperador, o compositor teria acusado Salieri do fracasso e de haver boicotado a sua estréia. O pai de Mozart, Leopold, referindo-se a essa primeira falha de seu filho, argumentou que era uma falha apenas temporária, como irá ser mostrado mais tarde com o sucesso desta ópera. Nesta época, Salieri estava ocupado na França com o desempenho de sua ópera "Les Horaces" , e por isso é improvável que realmente tivesse a oportunidade de decidir sobre o sucesso ou fracasso de uma ópera (entretanto, ele era muito importante na corte).




Muito mais provável que Mozart tenha sido forçado a instigar contra Salieri, e quem poderia ter tido esta função seria o poeta Giovanni Battista Casti, rival do poeta Lorenzo da Ponte, autor do libreto de Figaro. Uma confirmação indireta de como essa disputa entre Mozart e Salieri pode ter sido algo artificial está montada no fato de que, quando em 1788 Salieri foi nomeado mestre de capela, em vez de propor para a ocasião uma de suas óperas,  preferiu reeditar O Casamento de Figaro.




O fato é que em seus últimos anos, Salieri viu sua saúde piorar repentinamente e de forma irreversível. Ele ficou cego e passou os últimos anos de sua vida em um hospital. Nesse período, poderia ter acusado a si mesmo da morte de Mozart ou pelo menos é o que afirmaram duas enfermeiras que cuidaram dele.

 Salieri está enterrado no Cemitério (Zentralfriedhof ) em Viena. Em seu funeral, Schubert liderou o seu Requiem, escrito pelo próprio Salieri há muito tempo (1804) para a sua própria morte.




Salieri alcançou uma elevada posição social, sendo frequentemente associado com outros celebrizados compositores, como Joseph Haydn ou Louis Spohr. Desempenhou um papel importante na música clássica do século XIX e ensinou compositores famosos como Ludwig Van Beethoven, Carl Czerny, Johann Nepomuk Hummel, Franz Liszt, Giacomo Meyerbeer, Ignaz Moscheles, Franz Schubert e Franz Xaver Süssmayr. Ensinou também ao filho mais novo de Mozart, Franz Xaver.







Suas Óperas:
Salieri compôs 39 óperas:


1-L'amore innocente

Antonio Salieri

L'amore innocente ( Amor Inocente ), composta por Antonio Salieri (1750-1825), é uma ópera em dois atos. Estilisticamente, é uma ópera pastoral, muito semelhante ao dos meados do século 18.  O libreto foi escrito por Giovanni Gastone Boccherini, dançarino, poeta e diretor de palco, irmão do compositor Luigi Boccherini. Esta ópera foi a segunda de Salieri a ser realizada publicamente, bem como a sua segunda colaboração com Boccherini.

Salieri, escreveu L'amore inocente em Viena, em 1770. Recebeu sua primeira apresentação no carnaval do mesmo ano no Imperial Burgtheater, em Viena. Em 1772, a ópera estreou em Dresden. Este desempenho foi testemunhado por Charles Burney, e incluiu Angiola Calori no elenco. Salieri posteriormente reutilizou algumas das músicas desta ópera em várias dezenas de balé sem nome,  bem como uma ária no final ópera La cifra.

 Salieri parece ter continuado a rever esta ópera mais tarde em sua vida, sendo que performances freqüentemente ocorreram em tradução alemã, com o nome de Die Lügnerin aus Liebe sob a direção de Gustav Friedrich Wilhelm Grossmann em 1783 em Bonn e em Mainz, em Dresden (desta vez, em alemão), e em 1785 em Frankfurt, e Berlim em 1788, um desempenho tão tarde quanto 1793 foi relatado.  A primeira produção moderna foi em 1997, em Bolzano.


Personagens:

Despino, um pastor,
apaixonado por Despina tenor
Despina, sobrinha de Cestone,
também seu aluno soprano
Cestone, (Basket) Líder pastor da vila,
pai de Guidalba baixo
Guidalba, filha de Cestone,
também apaixonado por Despino soprano


Esta ópera de Salieri e Boccherini foi escrita na tradição pastoral, o libreto impresso para a estréia em Viena traz a descrição 'pastorale per musica' , e marca o autógrafo de Salieri com o termo "opereta " e  "pastoral ". Estes detalhes, além de sua estrutura muito pequena - dois atos, com apenas quatro cantores - tem levado vários estudiosos para colocá-la dentro da tradição de 'Roman Intermezzo'.  Também exclusivo para esta ópera é a sua opção de configuração. Em vez de ser a colocação do sul da Itália exuberante mais típica, L'amore está situado numa vila alpina, e muito raramente, ela é definida na aldeia específica de Klausen, localizada entre Brixen e Bolzano no rio Eisack. A aldeia é agora parte da Itália, mas, no momento da composição da ópera, era parte dos domínios  Habsburg.

O trabalho em si consiste principalmente de árias e cavatinas com muito poucos conjuntos. Mosel, primeiro biógrafo de Salieri e a principal fonte de informação primária sobre o compositor, elogiou este trabalho, observando que a música é marcaa por melodias pastorais e agradáveis. O caráter de Despina, no entanto, pede bravura na coloratura escrita da tradição da ópera séria.

Mosel vi esse uso de coloratura como uma fraqueza e uma ameaça para a coesão musical da ópera. Ele atribuiu seu uso para concessões feitas para agradar a soprano principal, Clementina Baglioni,  porém Braunbehrens vê como um tanto dentro do caráter de Despina, como uma mulher que é nobre no coração, e talvez como uma tentativa ingênua de cor local : cantante como coloratura,  similar ao seu uso 70 anos depois em Donizetti, na La fille du Regiment, que também é definida nos Alpes.

Nesta ópera Salieri amadureceu como compositor. Com base na sua experiência de sua primeira ópera encenada Le donne letterate, em L'amore Salieri expandiu enormemente o papel harmônica e orquestral da viola . O público recebeu a ópera com aplausos, e foi considerada um sucesso modesto em Viena na época de sua estréia.

Árias notáveis:

"Ah se foss'io smarrito" - Despina em um ato, com solo de oboé, posteriormente preparado para a inserção na ópera Il mondo alla rovescia , mas deixou de fora da pontuação final.
"Non vo' gia che vi suonino" - Guidalba no ato 2, mais tarde reformulado e inserido no La cifra .


Alguns vídeos das óperas:




Cecilia Bartolli canta a ária "Ah sia gia de' miei sospiri" da ópera "La scuola de' gelosi" que estreou em 1778 





Tarare foi apresentada pela primeira vez no Ópera de Paris no Théâtre de la Porte Saint-Martin em 8 de junho de 1787.  Salieri também refez o material em uma versão italiana renomeado Axur, rei d'Ormus, com libreto de Lorenzo da Ponte, que estreou em Viena em janeiro de 1788.




O final da ópera Tarare, de Antônio Salieri, a partir da quinta cena do quinto ato. 



Diana Damrau canta Bei Labbri, de Salieri. Stephan Matthias Lademann ao piano.

 

Agora é a Abertura da ópera "Les Horaces, de Salieri.





Extraidos do filme Amadeus:







A ópera de Nikolai Rímski-Kórsakov chamada "Mozart e Salieri" deu motivos para criar algo em torno disso.

Vamos ver alguns trechos:









ÓPeras colmpletas no Youtube:
https://www.youtube.com/watch?v=yTMCsCDA85Q

https://www.youtube.com/watch?v=MSUdL3XcUis

https://www.youtube.com/watch?v=5I0jdLbAdp4

https://www.youtube.com/watch?v=vZ-KppJzwqs

https://www.youtube.com/watch?v=qS1ed4-ETJI

https://www.youtube.com/watch?v=rwJ4o84sa4U


                   


Termina o século XVIII e surge um novo público.

Em 1760, Johann Christian Bach (filho de Bach) funda em Londres a primeira empresa para organizar concertos públicos. Logo a seguir, Paris, Viena e Berlim seguem o exemplo. A Igreja, a corte monárquica e o palácio da aristocracia perdem a função de mecenas que encomenda obras ao artista.

O século XIX que surge é o mais frutífero no campo da ópera.


               
                

Antes de passar para o século seguinte, não posso esquecer do trabalho de Antonio José da Silva, o Judeu (1704- 1739) que nasceu no Brasil mas apresentou sua ópera "As Variedades de Proteu, e outras, em Portugal. Na verdade ele foi o libretista, sendo a música de Antonio Teixeira, que nasceu em Lisboa (1770) e estudou com Scarlatti.


As Variedades de Proteus





Guerras do Alecrim e da Manjerona (1737) - Ária a Duo - Les Caractères



Agora sim, acabamos o século XVIII.




Levic

Nenhum comentário:

Postar um comentário